MUHRAQA

Discalced Carmelite Monastery in Muhraqa - Israel

Home

short introduction |

Visitor's informations

Opening hours every day 9.00-17.00
(9am-5pm)


We are closed on Christmas, 1 of January, Kippur Day, Good Friday, Holy Saturday and Easter Sunday

Please, contact us for more informations.

Welcome

Dear Visitors,

Welcome to Muhraqa.org
We hope that throw this website you will come to know this Holy place that is visited by jews, christians, muslims and druzes. We are open to your suggestions and comments. Please write to:
muhraka2000@hotmail.com

 

Contact:



MAP of MUHRAQA

MUHRAQA

   O lugar chamado Muhraka e considerado como o lugar do sacrfício do Profeta Elias. Situado no ângulo N.E. da cordilheira do Monte Carmelo, sobrepõe-se a planície de Esdrelon com 482 m. de altitude. Uma estrada nova permite aos visitantes chegar de Haifa a Muhraka (cerca de 27 Kms.) em apenas 45 minutos.

   O episódio do sacrifício está narrado naBíblia (1Re 18) de forma dramática; dá-se durante o reinado da cruel rainha Jesabel, filha do rei de Tiro, a qual tratou de introduzir o culto de Baal no reino do Norte, depois de ter casado com Acab, rei de Israel. Elias reagiu contra ela, e pediu a Acab para reunir o povo e os profetas de Baal sobre o Carmelo (1Re 18,21) desafiando a estes últimos.
   Depois de ter conseguido fazer cair fogo do céu sobre o altar, Elias mandou amarrar os sequazes de Baal e cortou-lhes a cabeça a todos junto da torrente de Cison; por esta referencia podemos concluir que o sacrifício se realizou perto do lugar actual (1Re 18,40).
   A tradição judaica sempre aceitou o Muhraka como o lugar onde se deram os acontecimentos acima citados. O Rabino Benjamin de Tudela (cerca de 1165 faz menção do altar de Elias sobre o Monte Carmelo. O Rabino Yaacob de Paris também visitou este lugar. Todos (incluindo os dois Rabinos) mencionam a existência neste local de um monumento antigo de doze pedras, que foi chamado pelos hebreus o altar de Elias.
   Muitos cristãos, entre os quais Carmelitas e outros forasteiros, a partir do séc. XVII confirmaram o facto. As 12 pedras desapareceram mais tarde, entre 1770 e 1850. Sobre a área da capela actual chegou a haver um oratório construído com grandes pedras lavradas.
   O Rabbi Yaacob (1228) conta que os muçulmanos costumavam frequentar o oratório e acender lamparina em honra do profeta Elias. A construção provavelmente anterior as cruzadas, ficou em rumas e foi substituída pelo edifício actual (1883).
   Os Carmelitas sao proprietários do lugar desde meados do sec. XIX. A capela foi recentemente modernizada e foi levantado um altar de doze pedras em memória das doze rochas, utilizadas, segundo a narração bíblica, por Elias para a construção do seu altar. Descendo pela estrada em ziguezague que levaà que vai para Megido, encontra-se Bir el-Mansurah, de onde se terá tirado a água para o sacrifício.
   Sobre a vizinha Chirbet ed-Dawabe (à frente do parque de estacionamento), foram encontradas ruínas bizantinas. Mais longe, para Oeste, encontra-se a área de uma importante cidade judaica: Sumakan, também da época bizantina.
   É possível que a proximidade do local do sacrfício de Elias tivesse levado os hebreus a povoar activamente esta região.